CADASTRE-SE

EUA puxam consumo de cimento

De cordo com o último relatório divulgado pela Associação de Cimento Portland (PCA), que representa os fabricantes de cimento dos Estados Unidos,  o consumo de cimento cresceu cerca de 9,2 milhões de toneladas entre as economias desenvolvidas no ano de 2014. O relatório informa ainda que no ano em curso haverá um novo incremento de aproximadamente 9 milhões de toneladas.

“A maior parcela do crescimento do consumo de cimento no mundo desenvolvido credita-se à América do Norte, em especial aos Estados Unidos”, disse Edward J. Sullivan, vice-presidente da Associação. “Com um crescimento esperado de mais de 7,4 milhões de toneladas, os Estados Unidos continuarão a crescer em ritmo mais rápido do que a maioria dos outros países desenvolvidos…”

A associação projeta que o consumo mundial de cimento deverá apresentar um crescimento sustentável durante os próximos  quatro anos (2015-2018), porém em um ritmo menos otimista que o esperado. O consumo mundial de cimento deverá crescer 2,2% em 2015 e  3,7% em em 2016 e fixando um crescimento médio de 4% em 2017 e 2018. No ano passado (2014) o consumo de cimento cresceu cerca de 4,6%, saindo dos 4 bilhões de toneladas de 2013 para 4,3 bilhões de toneladas de cimento em 2014 .

cimentousa

O consumo de cimento nos Estados Unidos atingiu o seu nível mínimo em 2010, quando consumiram, somente, 71,2 milhões de toneladas, quando o recorde de consumo do país, em 2005, foi de 128,2 milhões de toneladas de cimento consumido. Uma queda de quase 45% no consumo do produto no país em um pequeno período de tempo, creditada a crise financeira mundial. Desde então o consumo de cimento no país começou a registrar uma pequena reação anual. É certo que os números atuais de consumo de cimento do país ainda estão muito aquém do recorde e da tendência existente à época, mas, segundo a PCA, o consumo alcançará 192 milhões de toneladas de cimento até o ano de 2035. No atual momento do mercado cimenteiro global, esse pequeno crescimento no consumo americano, mesmo que distante dos números já alcançados, anima o setor.

usaA desaceleração do crescimento da economia asiática, onde a China que crescia até dois dígitos em 2010 e 2011, reduziu as taxas de crescimento do consumo de cimento no mundo,  em comparação com anos anteriores (previsão para China é crescimento no consumo de cimento em 7% em 2015). Assim, qualquer crescimento fora da Ásia, somados, pode ajudar a manter o consumo global de cimento ainda em ascensão, mesmo considerando as gigantescas diferenças nos tamanhos entre os mercados, como é o caso da China e dos Estados Unidos, como mostrado no quadro ao lado, 0nde o país asiático consumiu em apenas três anos, quase 50% a mais que os Estados Unidos

Na Europa haverá um crescimento modesto em 2015, seguido por ganhos maiores em 2016 e, provavelmente, nos anos seguintes. Esse cenário está refletindo a melhora gradual dos setores de habitação não residencial que enfrenta dificuldades, especialmente entre as várias economias da zona do euro.

Na tabela a seguir, comparando a produção de cimento de diversos países nos anos de 2013 e 2005, fica claro a queda na produção em países europeus como a Espanha e Itália. Ao mesmo tempo que se evidencia a forte queda na produção dos EUA e o crescimento do Brasil, que manteve-se em ascensão até 2013.  A tabela abaixo trata da produção de cimento e não do consumo para o produto, o que pode parecer estranho. Na verdade, em função do peso insignificante do comércio internacional em relação à produção global.

Para o Brasil, as previsões para 2014 e 2015 é de uma estagnação ou mesmo de uma pequena retração no consumo de cimento e na outra ponta, uma considerável ampliação na capacidade instalada do país, que sairá dos atuais 82 milhões de toneladas de cimento para números próximos a 117 milhões de toneladas nos próximos anos.

PRODUÇÃO DE CIMENTO DO MUNDO 2013

Ranking

2005

Ranking

2013

País / Região

Milhões

Toneladas

2005

Milhões

Toneladas

2013

 

Evolução

em

%

 China

1.038

2.300

122%

 Índia

217

280

29%

 Estados Unidos

100

77,8

-22%

 Irã

65

75

15%

13º

 Brasil

36

70

94%

10º

 Peru

42

70

67%

 Rússia

48

65

35%

17º

 Vietnã

29

65

124%

 Japão

69

53

-23%

18º

10º

 Arábia Saudita

26

50

92%

11º

 Coréia do Sul

51

49

-4%

16º

12º

 Egito

29

46

59%

14º

13º

 México

36

36

0%

12º

14º

 Indonésia

37

58

57%

11º

15º

 Tailândia

37

35

-5%

15º

16º

 Alemanha

30

34

13%

21º

17º

 Paquistão

18

32

78%

18º

 Itália

46

29

-37%

19º

 Espanha

50

20,7

-59%

Outros países

306

597

95%

Produção Total Mundo

2.310

4.043

73%

Postado em:
17 jun 2015 às 09:41hs
Icone do Facebook Icone do Twitter Icone do Google Plus Icone do Linkedin


Outras Notícias


Parceiros