www.cimentonline.com.br

InterCement avalia fechar unidades de concreto

A InterCement, divisão de cimento do grupo Camargo Corrêa, deve decidir nesta semana o futuro de sua divisão de concreto, apurou o jornal O Estado de S. Paulo com fontes familiarizadas com o assunto.

A companhia vai definir qual a melhor estratégia a ser adotada para essa divisão, que tem 40 unidades no País.

Uma das alternativas é fechar algumas operações que não são consideradas lucrativas e pouco estratégicas para a companhia, de acordo com as mesmas fontes. Não há, contudo, intenção de fechar a divisão.

Envolvido na Operação Lava Jato, que investiga esquema de corrupção na Petrobras, o grupo Camargo Corrêa é o segundo maior produtor de cimento do País, atrás da Votorantim Cimentos.

A InterCement é líder de segmento na Argentina, atua em Portugal e tem posições relevantes em países da África.

Uma reunião para discutir os rumos estratégicos dos negócios da InterCement está prevista para ocorrer até sexta-feira, 24, apurou o jornal O Estado de S. Paulo. Procurada, a companhia não se manifestou oficialmente sobre o tema.

A produção anual de cimentos no Brasil está estimada em 70,8 milhões de toneladas.

Do total, 20% são negociados pelas cimenteiras para a produção de concreto, segundo fontes de mercado.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo no início do segundo semestre do ano passado, a InterCement havia informado que estava cortando parte de seus investimentos para priorizar a redução de endividamento, que àquela época era de 2,5 bilhões.

A companhia encerrou o ano passado com endividamento de 2,6 bilhões, recuo de 0,8% em relação a 2013.

O lucro líquido no período caiu 68,8%, para 50,1 milhões.

A produção total de cimento atingiu 30 milhões de toneladas, das quais 12,6 milhões no Brasil, e a de concreto 4,5 milhões de metros cúbicos.

O grande salto da companhia nesse setor ocorreu após a compra da portuguesa Cimpor, em 2012.

“Com o boom da economia, as cimenteiras investiram em unidades de concreto para melhoria de processos em obras. É muito comum que, nas grandes obras, o concreto seja produzido no próprio local (com a mistura de cimento, água e brita). Esse mercado também enfrenta a concorrência de pequenas empresas”, disse outra fonte.

Marcha lenta

A desaceleração da economia brasileira deve afetar o mercado de cimentos e concreto no País, por causa da baixa demanda por obras no mercado imobiliário e de infraestrutura.

Atualmente, 75% do consumo de cimento e concreto é destinado para edificações em geral e o restante para infraestrutura.

O último boom vivido pelo setor ocorreu entre 2003 e 2012, quando a produção saltou de 35 milhões de toneladas para 69 milhões de toneladas, segundo o Sindicato Nacional da Indústria de Cimento (Snic). Em 2013, a produção ficou em 71 milhões de toneladas.

Os dados de 2014 ainda não estão fechados, pois o Snic não pode mais divulgar dados mensais consolidados por decisão do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) associada às suspeitas de cartel no setor.

Porém, a expectativa é de que a produção do setor recue, caso a crise econômica perdure.

O primeiro grande impulso das cimenteiras ocorreu entre 1969 a 1980, saltando de uma produção de 9 milhões de toneladas para 27 milhões de toneladas.

Depois de um longo período de estagnação, o setor cresceu entre 1994 até 2000, puxado pelo Plano Real.

Como a expectativa atual é de novo retrocesso, parte das cimenteiras locais poderá rever planos de expansão. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Por Mônica Scaramuzzo

examecom

 

Postado em:
22 abr 2015 às 19:31hs
Icone do Facebook Icone do Twitter Icone do Google Plus Icone do Linkedin


Outras Notícias


Parceiros