Pandemia: Vendas de Cimento no Brasil.

As vendas de cimento no mercado interno brasileiro, em fevereiro de 2020, totalizaram 4,1 milhões de toneladas, o mesmo volume de fevereiro de 2019, de acordo com o Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (SNIC). Ainda assim, no acumulado do ano, a queda foi de 0,5%, em razão das fracas vendas registradas no primeiro mês do ano.

As vendas das regiões Norte e Sudeste continuaram influenciando negativamente o desempenho do setor e pelas mesmas razões de janeiro: Ainda as chuvas que continuaram volumosas, impactando o ritmo das obras e das vendas.

Segundo o presidente do SNIC, os resultados do mês passado mostraram uma desaceleração. Como foram menos dias úteis em fevereiro de 2020 em virtude do carnaval, a esperada melhora de venda de cimento acabou não vindo pelo grande volume de chuvas registrado no mês. Tomando por base as vendas por dia útil, o acumulado no primeiro bimestre ainda registrou um crescimento de 2,9%.

Na comparação por dia útil (melhor indicador da indústria por considerar o número de dias trabalhados e que tem forte influência no consumo de cimento) as vendas do produto no mercado interno registraram em fevereiro aumento de 7,4% em comparação ao mesmo mês do ano anterior. O mesmo indicador apresentou alta de 5,8% na comparação entre fevereiro e janeiro de 2020.

 Perspectivas

O ano de 2020 para a indústria cimenteira, em pouquíssimo tempo, tornou-se uma grande incógnita. Começou com um certo otimismo, com um menor grau de incerteza, associada aos principais riscos que afetaram a economia mundial ao longo daquele ano passado.

No entanto, turbulências como a crise EUA-Irã, as disputas EUA-China que, ao seu tempo, pareceram suficientemente graves e já afetariam a economia mundial, tornaram-se coadjuvantes após a epidemia, que começou na China, ser classificada como pandemia e crescer exponencialmente em todo o mundo.

As previsões, ou ilações, sobre o crescimento da economia mundial começaram despencar. Não sendo diferente no Brasil quando, em menos de 15 dias, o governo brasileiro reduziu duas vezes a estimativa para crescimento do PIB, saindo de 2,4% para 2,1% e, depois do agravamento da pandemia, derrubou a previsão de crescimento do PIB para pífios 0,02%.

E o mercado cimenteiro?

O Brasil começou a “parar” após 15 de março. A maioria dos estados decretou o isolamento social, fechou escolas, órgãos públicos, comércios e muito mais… Entre as portas fechadas estão aquelas que comercializam materiais de construção e como a distribuição de cimento no país é, predominantemente, através do canal de distribuição da Revenda, através de milhares de pontos de vendas espalhados pelo Brasil, são eles responsáveis por 55% da comercialização de todo o cimento produzido e estão com suas portas fechadas, em quase todos os estados. Na outra ponta, muitas das obras paralisaram e, com isso, os impactos negativos nas vendas de cimento e de materiais de construção deverá ser muito forte.

O mês em curso já deve registrar um abalo nas vendas, visto que só transcorreu com certa normalidade, no máximo, até o final da primeira quinzena. O impacto da pandemia no mercado cimenteiro brasileiro será sentido à partir da metade do mês e pode derrubar as vendas/consumo do produto em cerca de 30% em relação aos volumes comercializados no mesmo mês do ano anterior.

A análise que fazemos é técnica e objetiva mostrar a realidade do mercado cimenteiro do país no mês , os reflexos da pandemia para os meses que se aproximam e, assim, provocar para que cada um dos players e todos os participantes diretos ou indiretos do setor entendam a gravidade, permitindo que redirecionem suas ações para minimizar os impactos.

Como organização séria e cônscia de suas responsabilidades, somos totalmente a favor do isolamento social, pois sabemos que mesmo com os estragos na economia e no mercado cimenteiro, temos que preservar o sistema de saúde, proteger todos os profissionais do segmento e salvar vidas para, em seguida, reconstruir o país.

Milton Cintra – CEO Cimento.Org

Postado em:
27 mar 2020 às 20:07hs
Icone do Facebook Icone do Twitter Icone do Google Plus Icone do Linkedin


Outras Notícias


Parceiros